Almoço vegetariano sob os olhos de Buda

Templo Zu Lai, em Cotia: budismo, passeio e almoço vegetariano.

Templo Zu Lai, em Cotia: budismo, passeio e almoço vegetariano.

Nesta época em que a cidade de São Paulo é ameaçada de ficar sem água e sem luz, pode ser uma boa visitar um lugar envolto na filosofia do desprendimento e da moderação. O Templo Zu Lai, que fica em Cotia, a 30 km da Capital, é o maior templo budista da América Latina – são dez mil metros quadrados de área construída em terreno com 150 mil metros quadrados. O complexo inclui, além dos locais de oração,  salas para meditação, museu, jardim, fonte dos desejos (na qual as crianças se divertem jogando moedinhas), lago com tartarugas e peixes, loja, cafeteria e, nos finais de semana, um simpático restaurante de comida vegetariana.

Funciona em sistema de bufê, sempre com cerca de dez opções de saladas e outras dez de pratos quentes. Incluindo água, chá e frutas de sobremesa, paga-se R$ 25 por pessoa para comer à vontade. Embora o seja na prática, ali não se chama o valor de pagamento pela comida. A refeição é oferecida ao visitante que tem fome. E este faz uma contribuição ao templo. Há na parede uma inscrição que pede para que a comida não seja desperdiçada. É justo e certo.

Feijoada vegetariana1-Templo Zu Lai-blog

Feijoada vegetariana, do Templo Zu Lai.

No último sábado experimentei uma bela feijoada de vegetais. Muito bem preparada, no visual é praticamente idêntica à tradicional. Carne de soja, tofu (queijo de soja) e outros legumes imitam as texturas dos pertences de porco, o feijão é a estrela do prato (feijoada com mais carnes do que feijão não dá) e o caldo tem a textura certa. Único porém: senti um leve gosto de coentro. Há quem goste, mas eu realmente não simpatizo com essa erva. Para acompanhar, arroz, couve, tempurá e carne de soja à milanesa. Tudo fresquinho e bem temperado. Para finalizar, salada de maçã com manga e chá de arroz.

Depois, para fazer a digestão e observar os detalhes de todas as gigantescas estátuas de Buda instaladas em diversos pontos, você pode caminhar pelos jardins, visitar o museu e o lago, conhecer o interior do templo ou comprar lembranças na lojinha. Ali há miniaturas de Buda, livros sobre meditação, budismo e nutrição vegetariana; estatuetas, quadros, gravuras, mensageiros do vento (aqueles sininhos que tocam quando o vento bate); chaveiros, anéis, pulseiras, brincos, enfeites variados. Cada objeto tem seu significado, que as atendentes explicam ao visitante com paciência infinita. Os preços variam de R$ 5 (um chaveiro) a R$ 500 (as estatuetas mais elaboradas).

É possível também comprar pão feito pelos monges.

Se estiver em uma turma de 15 pessoas ou mais, pode agendar uma visita monitorada. Não chega a ser necessário para quem quer seguir no seu próprio ritmo, já que em todas as dependências há algum funcionário, voluntário ou religioso disposto a esclarecer as  dúvidas dos visitantes sobre o lugar, todo ele muitíssimo bem cuidado, limpo e agradável.

Não precisa se converter ao budismo nem ao vegetarianismo para aproveitar o passeio.

 

Estátua no Templo Zu Lai

Estátua no Templo Zu Lai

 Templo Zu Lai

Estrada Municipal Fernando Nobre, 1461. Jardim Pioneira. Cotia. Acesso pelo km 29 da rodovia Raposo Tavares.

Telefone: (11) 4612-2895

Horário de funcionamento:

Segunda-feira: fechado

Terça a sexta: do meio dia às 17h

Sábados, domingos e feriados: das 9h30 às 17h.

Almoço aos sábados, domingos e feriados: R$ 25 por pessoa (em dinheiro, não aceita cartões)

Estacionamento no local: grátis.

 

 

 

 

 

2 Comments

  1. Carlos Yamaguchi says:

    Suas informações sobre o Templo Zulai em nossa visita neste fim-de-semana, fomos eu, a Georgina, a Giulia, minha mãe, mais três irmãs minhas, um cunhado e uma sobrinha. Ainda bem que consultei o site deles antes então deu para ver que piqueniques são proibidos, senão era capaz da japonesada levar bentô (marmita de japonês) e ser barrado logo na entrada. Agora sem brincadeira, o Menu da Lú tem sido muito útil, uma referência que divulgo sempre que possível. Só mais um pedido aos leitores do blog que queiram ir, o lugar é bonito, muito bom para os que praticam fotografia, mas acima de tudo é um templo e como tal,um lugar de oração e meditação para os budistas então eu gostaria de ver menos gente tentando tirar selfie em locais de meditação e menos gente sem noção que entra no gramado das estátuas para fazer palhaçada do lado das estátuas para tirar fotografia. Não sejam esse tipo de pessoa, respeite o local como você gostaria que respeitassem sua casa ou sua igreja (seja lá qual for sua religião). O restaurante é estilo mesa comunitária e além do buffet a preço fixo e do chá e água de bebedouro que não são cobrados eles têm um balcão no fundo para se comprar bebidas, doces e até os pães feitos no templo. Também tem uma lanchonete para quem não tiver tanta fome assim, só lembre que tudo é vegetariano é pago em dinheiro. Para quem não tem carro no site tem indicações de ônibus no domingo que sai do bairro da Liberdade em SP bem cedo e volta no fim da tarde – os horários e preço podem ser checados no site do templo também e eles avisam que o horário de retorno pode ser afetado se tiver fiéis em algum tipo de cerimônia agendada para o dia. Outra dica de última hora para o mês de Junho – eles vão ter uma festa junina com barracas e tudo, só avisam que as comidas são, claro, vegetarianas e não tenho muita certeza se vão colocar música caipira para tocar nos alto-falantes do templo 🙂 mas para quem pretende ir com crianças pode ser um bom dia para ir – de novo, vejam no site oficial porque sempre pode ter alterações de última hora.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*